23/06/10

.
hoje amo-te como nunca. amo-te dos dedos dos pés até à ponta de cada fio de cabelo. amo-te, por todo o meu corpo. amo-te no amanhecer, no anoitecer. amo-te em cada raio de sol, em cada lágrima de chuva, em cada folha de outono que percorre o vento até chegar ao solo. amo-te em cada onda do mar, em cada suspiro da areia, em cada folhear de um livro. amo-te em cada viagem, em cada descoberta. amo-te na praia. amo-te no campo. amo-te em cada palavra, em cada letra que se instala na minha imaginação. amo-te hoje como não te amei ontem, mas acredita que hoje (ainda) não te amo como te amarei amanhã, meu amor.   *

4 comentários:

brisa de inverno disse...

com isso eu concordo, por vezes o problema reside na falta da segunda chance.

b disse...

está lindo, nao sei como nao comentaram este texto, está mesmo lindo *
Vou seguir o blog (;
em resposta ao comentário : É apenas uma mensagem certo? nao percebo o medo.. acho que nunca vou perceber o sexo masculino, sou nova e já digo isto.

brisa de inverno disse...

penso que faz parte da magia. se pudéssemos sempre remediar os erros cometidos não teríamos a preocupação de tentar fazer as coisas bem porque iria existir um volta atrás. gosto mais assim.

brisa de inverno disse...

pois são, mas dor nenhuma dura para sempre portanto. e se não errasses nunca irias aprender. perder faz parte.